Sorriso ou cara fechada?

Sorriso ou cara fechada? FelicidadeDesconfia de quem sorri muito e foge de quem nunca sorri. Aceita os sorrisos, mas pondera rejeitar as tristezas. Foge da angústia e não hesites em aceitar a alegria.

Vai atrás do mundo. Vai atrás da alegria. Faz tudo o que te faz feliz.

Sorri, sorri muito. Mas não percas a tua seriedade. Assegura que te respeitam, mas aventura-te numa graçola. Rouba sorrisos. Dá sorrisos. Oferece alegrias. Pára tristezas.

Faz o que mandam os livros.

Mas eles são confusos, parece que dizem para sorrir e ficar sério na mesma hora, no mesmo contexto. É complicado. Se quiser ser bom aluno da felicidade, estou sempre confuso. Quando sorrio e quando marco respeito?

Não sei a resposta. Talvez porque a resposta da felicidade não esteja na felicidade em si, como se ela fosse um jarro de centro de mesa. Talvez a felicidade não exista. E existia, sim, uma espécie de paz interior, que nos coloca a sorrir, mesmo quando não sorrimos por fora. Porque é o que nos faz estar bem connosco. Não nascemos para sermos todos felizes – segundo o estereótipo criado -, nem bem dispostos, nem bem resolvidos. Talvez tenhamos nascidos todos só para sermos nós próprios. Uns mais sorridentes, outros mais sisudos.

Quando pudermos aceitar isso, talvez estejamos mais próximos da felicidade. Seja ela apresentada num sorriso ou numa cara fechada.

Anúncios

Oi, Linda

Oi, Linda - dia dos namoradosAmanhã é o dia do amor. De celebrarmos isto que nos liga. Ardente por vezes, muito monótono noutras ocasiões. Sempre ansioso.

Queremos mais, não é?

Não há mal nenhum nisso. Desde que não nos separe, como é lógico. Queremos mais, fazemos para que seja mais. Damos a mão e discutimos. Atiramo-nos ao abismo do desconhecido juntos. Sempre juntos. Porque, desde que te conheci, nunca mais te larguei da mão. Ao início, não sabia bem quem eras, portanto sorria de tudo. Tudo era perfeito e uma aprendizagem. Que bom!

Com os anos, claro, começam a vir alguns entraves. Deixamos estas pegadas no caminho que nos influenciam. Queremos agradar a sociedade, criamos crenças que nos limitam mais do que potenciam, mas continuamos juntos. Eu e tu. E isso é que importa, não é?

Sua linda, vida.

Qual Carnaval?

Qual Carnaval

Tenho visto este dias, novamente, a percorrer um texto meu sobre o Carnaval, escrito em 2016, que foi reaproveitado ( http://bit.ly/Carnval_Ovar_Ral2016 ). Não me incomoda que tenham cortado o meu nome e reajustado as partes em que falava do meu grupo. É uma falta de respeito, sim, mas o mais importante é que a mensagem chega. Que as pessoas sentem.

E isso é que me enche de orgulho.

Mas este ano está a ser diferente. Estou distante, não irei desfilar e ainda não tive nenhuma verdadeira noite de carnaval, como esta em que os meus “velhotes” me acompanham e espelhamos um sorriso que diz muito do que somos. Foliões.

São tudo decisões. A minha, deste ano, foi ter outros focos. Não por ter menos paixão pelo nosso Carnaval, mas porque a vida assim me pediu. E eu quis.

Mas, garanto-vos, à distância o meu trabalho de RP continua a ser feito, porque “Nunca será fácil para quem é de fora compreendê-lo”. Explico. Explico infindamente o que é o Carnaval de Ovar e toda gente continua sem percebê-lo.

E é isso que me continua a motivar. Enquanto não perceberem, é nosso. E, enquanto for nosso, é o melhor do mundo.

– Qual Carnaval?
– O nosso.

E “Isso é que faz de nós grandes. Os maiores!”

Até já! http://bit.ly/Carnval_Ovar_Ral2016

Quais são os melhores caminhos para nós?

Os nossos caminhos

Os lineares têm um certo encanto. São a mulher bonita que nos atrai na festa, que enche o olho. Queremos, queremos muito. Estamos dispostos a expor-nos, muito certos que ela nos chamou a atenção, porque nós também chamamos a atenção dela. São caminhos que parecem ter futuro. São donos de uma estabilidade que nos seduz. Queremos. Queremos muito.

Mas assim que o temos, pensamos em tudo o que estamos a perder para tê-lo. Enche-nos o ego. Esvazia-nos a ambição. Foi o caminho mais seguro, agarrado numa leitura de cabeceira que nos diz: luta por quem te valoriza. Mas morre a ambição. É seguro, é querido, é fofinho, mas jamais é ambicioso.

O sucesso é solitário.

E limitamo-nos. Porque não queremos que o sucesso seja dono do nosso futuro. Mas isso é fazer do sucesso culpado de algo que nós é que devíamos dominar. Há muitos caminhos para o mesmo destino. Que apenas fazem com que mudemos o nome ao destino.

Os caminhos são iguais – e completamente diferentes dos homens e mulheres da nossa vida. Não devemos largar o que não nos valoriza, ou ir atrás do que nos valoriza. Devemos ser nós a fazê-los. A construí-los. Pelo que gostamos.

Nem o sucesso é solitário, nem a mulher é só uma zona de conforto. Nós é que somos. E culpamos os caminhos.

Mas eles são só caminhos. Escolhidos por nós. Feitos por nós.

Comunicar não é vaidade. É uma necessidade!

Mujica - A twelve years night

Todos ignoramos o óbvio. É mais fácil viver assim. A nossa atenção, capacidade de memória e motivação é limitada, pelo que necessitamos tomar decisões. Para o que olhar? Ao que prestar atenção?

São tudo perguntas lógicas, que não nos fazemos. Acontecem naturalmente, sem grande esforço de nossa parte. São o que chamamos rotina. E a importância do falar, do comunicar, também é uma dessas coisas que ignoramos?

Sem dúvida que sim.

Damos a comunicação como adquirida. Seja as longas conversas com os nossos amigos, o bom dia à senhora do café que já sabe o que desejamos ou o agradecimento à pessoa que, simpaticamente, nos segura a porta, são coisas banais. Não exigem de nós pensamento, num mundo que vive cada vez mais acelerado. É automático e liberta esforços para outras decisões mais importantes. Invisto no A ou B? Apoio o C ou D? Como ou não como? Vou ao café ou não vou? São tudo decisões importantes, que implicam o bem-estar imediato. O mais importante de todos, quando é a nós mesmos que queremos mimar.

No entanto, o filme “A twelve years night”, que fala da história do fim do fascismo no Uruguai, alertou-me para algo muito mais importante. A comunicação é o nosso estabilizador. Por muito que olhando à ideologia budista, por exemplo, onde o silêncio se apresenta como paz, pareça que o caminho está sempre em nós mesmos, a comunicação com os demais – seja falada, escrita ou por toques na parede, como aconteceu com Mujica e Mauricio Rosencof no Uruguai – é útil para o equilíbrio da nossa mente. Se vivermos apenas na nossa cabeça, silenciando todos os outros sinais, aproximamo-nos do precipício. Deixamos de distinguir o que é real (da vida que acontece no mundo que nos rodeia) e o que é fruto da nossa imaginação e racionalização.

Falar com os outros, partilhar as nossas ideias, não é apenas procurar validação externa. É alimentar a nossa mente, abrir-nos para outros mundos e equilibrar os nossos pensamentos. Colocar-nos em perspectiva. E quem não se coloca em perspetiva morre. Para o mundo, para si e para o futuro.

O Mujica, Rosencorf e Eleuterio Fernandez salvaram-se e ainda bem para nós. Mujica, por exemplo, tornou-se um dos políticos mais admirados no mundo. “O primeiro requisito na política é honestidade intelectual. Sem ela, tudo é inútil!” // “A minha definição de pobre é o que precisa de demasiado. Porque esses que precisam de muito nunca estão satisfeitos” //

Os perigos de ser diferente

O perigo de ser diferente é a vitória e a derrota. É muito mais complexo do que ser banal, porque tudo se torna um perigo imediato de se perder a autenticidade, para se guiar pelo caminho da diferença. Pelo marcar presente no contraditório.

Ser diferente pode ser concordar com muita gente.

A diferença não reside no facto de discordar de toda gente, mora, essencialmente, no âmago de concordar com o que se acredita. Que pode ser dito pelo próprio diferente ou por qualquer outro banal. Todos os banais têm algo de especial, porque todos nós também temos algo de banal. Somos todos mais parecidos do que gostaríamos, na verdade. Movemo-nos por sentimentos muito simples como a alegria, o medo, a tristeza e a monotonia. Há, aliás, um estudo muito interessante de como a monotonia afeta todo o nosso mundo. Fechadas numa sala, sem mais nada do que uma campainha que dá choques, invariavelmente as pessoas preferem carregar numa campainha que as magoa do que estar sem fazer nada. Em marasmo. Isto diz de como o nosso mundo funciona.

Queremos estar sempre a fazer.

Mas o que faz os diferentes diferentes, então? Isso, não reagir logo aos estímulos e pensar. Criar opinião própria e segui-la, defendê-la, sem deixar de dar espaço ao que é a visão dos outros. Assumir o erro, quando é o caso. Aceitar a derrota. Olhar as responsabilidades próprias, mesmo quando elas não são as mais óbvias. “Trabalhar” para melhorar.

Mas qual é o risco dos diferentes, então?

As multidões que os puxam para o lado tranquilo das coisas, em que somos A ou B. Em que somos preto ou branco. O mundo está polarizado e a ausência de posição premente – dita coerente! – é defendida, pelos banais, como ausência de personalidade. Não é. É personalidade muito mais própria do que quem defende que só há um lado certo para as coisas. Mas os perigos não moram só aqui. Moram, também, na vitória.

– Gosto tanto de ti, por seres diferente.

E o prazer do elogio, da validação externa, torna os diferentes receosos de deixarem de ser diferentes, o que os faz iguais a todos os outros. Por isto, por tudo isto, ser diferente é dos maiores desafios com que uma pessoa pode lidar na sua vida. É silenciar as vozes externas e ouvir as interiores. Ser fiel ao erro, à dúvida, ao medo e a tudo o que ser diferente implica. Mesmo sabendo que somos todos iguais, na essência.

Um sonho real

Loba.cx

Ando a tentar aprender uma coisa por dia. Hoje, ontem e anteontem foi a ser grato pelo que a vida me dá.

Aqui estão alguns, no total somos mais de 80. Uma família? É exagerado. Os melhores amigos? É sempre suspeito. Mas pessoas que se respeitam, relacionam e remam todas para o mesmo lado. A rir, a chorar e a suar. Tudo faz parte.

O trabalho e a vida pessoal não se separam, completam-se. E termos na nossa vida 80 pessoas, com quem partilhamos grande parte das nossas horas, todas a remar para o mesmo lado é algo que nos deve fazer sorrir e agradecer. Respeitar.

E admirar.

Por tudo isto, receber uma estrela, no meio deste universo tão grande de pessoas incríveis, em que qualquer uma merecia, faz-me sentir ainda mais incrível. E quando temos pessoas à nossa volta que nos fazem sentir incríveis, só devemos agradecer.

Obrigado, Adelino Silva e João Gaspar, por terem criado muito mais que uma empresa ou agência. Por terem criado um sonho, que se tornou de todos. E continua.

LOBA.cx