Casa de felicidade

casa praia, casa felicidade, crescer, melhorar

A definição de felicidade não é simples, nem poderia ser, quando se trata de algo tão grandioso. Os excepcionais matemáticos tendem a definir as equações como de resolução descomplexa, todavia isso é uma consequência do seu estudo. Assim, os felizes pensam a felicidade como simples e os tristes como complexa.

A felicidade, como tudo o resto, é fruto da aprendizagem. Prova disso, conforme os anos se crescem as noções alteram-se. Em miúdos, na adolescência, necessitamos de conquistar o mundo para sentir um sopro de felicidade e, ainda assim, é um sopro breve, uma sensação contínua de insatisfação. Na idade adulta, porém, basta uma noite à mesa com a mulher que se ama, com o filho a regatear presentes e a televisão a dar novelas, para se sentir que nada mais se podia pedir. Pode ser o crescendo da capacidade de observar os prazeres da vida, ou a resignação da idade, mas a verdade é que não importa. Logo que sejamos felizes, nada importa.

Uma casa de felicidade é um abrigo. Um abrigo que não precisa de ser com quatro paredes e uma chaminé e uma janela e uma porta, basta que seja um corpo que absorva os ventos, os sóis e os mares, as chuvas e as intempéries, como provas de uma existência que vale a pena. Felicidade é isso, não renegar nada. Eu, por exemplo, já vivi dias mais fáceis que estes, contudo isso não me impede de ser feliz. No trágico, pode sempre vir um túnel, nesse túnel uma luz, que não sendo tão reluzente como foi em dias, é mais luz que no dia anterior, o que faz dela a luz mais especial de sempre. Enfim, felicidade é regeneração. É a capacidade de mudar as metas, de abstrairmo-nos das conquistas passadas para saborear as presentes. Felicidade, afinal, é viver. A tragédia faz parte, alavanca a alegria de outros ensejos. Eu sou feliz, mas estudei para isso. Percebi que o mau é mau e nos devemos defender disso, sermos ponderados, mas percebi, também, que o bom é mesmo bom e devemos lutar por ele. O medo faz parte, mas para sermos ponderados e cautelosos, não para deixarmos de viver. Eu tenho medo e sou feliz? Como é isto possível?

Já sei, tenho uma casa de felicidade dentro de mim, que existe com a visita dos habitantes exteriores.

Ral
http://www.bubok.pt/livros/6257/Realidades

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s