Amor, amor.

garota de ipanema, mulher,Eu gosto do amor.

Gosto de gostar, de venerar.

Do que me faz sentir e existir.

É como renascer sem saber o que é viver.

Dizer Amor, é chamar pelo quente do nosso fervor,

É dizer olá a quem nos fez sorrir.

Amar é estar como estamos, sem saber que estamos.

Dizer que amamos, sem saber que isso é o que nos habita no escuro e nos completa na luz.

Ai, amor. Amor. Amor.

É sempre assim, um texto repetido. Amor e amor.

Exaustão, repetição, sofreguidão e bênção.

É rimar sem rima, conjugar sem verbo. É amor.

Eu sinto amor, é vermelho e espesso.

Corre-me nas veias.

Não me fazem a transfusão, mas delegam-mo nas pequenas coisas.

Nas flores colhidas, nos beijos aquecidos, nas carícias amaciadas.

Amo, amor. É sempre assim, amor, amor.

Para encomenda de livros, sem portes: ricardoalopes.lopes@gmail.com

Para compra directa: http://www.bubok.pt/livros/6257/Realidades

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s