Amor

amor, cadeados, eterno, sinceroSem muitas delongas, hoje apetece-me escrever sobre o amor. Sobre a forma como o nosso coração palpita na presença das pessoas certas; sobre como balanceamos no íntimo das nossas pernas, no afago dos nossos órgãos, quando as pessoas correctas nos dizem o que desejamos ouvir, no momento que não esperamos escutar.

Saber que nos amam não chega, nos dias em que o pessimismo ganha espaço à alegria. Nesses dias, a maior bênção que dispomos são as pessoas que, por conhecimento e amor, nos dizem o que esperamos sempre ouvir, no momento que não sentimos merecer. Não é ser enganador, é ter as palavras acertadas para as ocasiões certas. Um elogio no momento que tudo nos corre de feição é como um whisky no fim de uma noite de garrafas de vinho. Só embebeda mais, não é saboreado. Mas um whisky no fim de um dia de trabalho, de uma jornada de esforço, pode ser um simples trago do paladar dos divos. Usei o exemplo do álcool pelo facilitismo de comparação, o mesmo seria verdade no nascer de uma planta no meio da Primavera, ou em pleno Inverno cerrado do céu. O contrabalanço é o que enrijece.

O amor é como uma viagem, feita a dois, a três, a mil. Não importa a quantos. O amor não é somente beijos apaixonados, carinhos voluptuosos, o amor são palavras. As tais que se diz que não resolvem nada, são também o motor das resoluções. Os actos nascem nas palavras. As palavras não devem ser negadas ou demovidas de importância, devem é ser apreciadas e usadas. Não são vazias, garanto-vos, carecem é de ser postas em prática. Mas é nelas que tudo começa. Os campeões fazem-se nas palestras, nos ensinamentos, e esses são dados por palavras. O amor é igual, faz-se nas cartas, nas conversas, nas prosas. E solidifica-se nos actos, nos beijos, nos abraços, nas ternuras, nas histórias.

Eu amo o amor e sei que ele me ama. Sim, porque o amor, na minha vida, tem nomes. E cada um deles, desses nomes, passeia pelo meu coração e cabeça. Amar é não ter medo de ser ridículo. E eu não tenho. Até porque também o seria sem o amor.

Para encomenda de livros, sem portes: ricardoalopes.lopes@gmail.com

Para compra directa: http://www.bubok.pt/livros/6257/Realidades

Advertisements

2 thoughts on “Amor

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s