Hoje não é diferente, Pai!

HPIM0525Não podia ser. Sejam dia memorados ou acabados, cheios de trivialidade, és sempre pai. O meu pai.

Os teus cabelos brancos, desde cedo, me mostraram a diferença das nossas idades, a hierarquia das nossas vidas. O que hoje experimento, um dia foi o teu harém. Não o das mulheres, que sempre te conheci com a mãe, com a formação do casal que me ensinou que o amor não é só romance de novela, é também o dia-a-dia de famílias que se afagam no carinho. O carinho também se vê em vozes ásperas, de dias feitos de cansaço. Nenhum mantém a sua boa disposição como uma linha que atravessa o vento indiferente. Somos humanos e a disposição varia. Mas tu não, és sempre pai, sempre dono dos teus cabelos grisalhos que me seduzem para o prazer que deves ter em ser pai. Não é fácil ver-te chorar, mas o humedecer do teu olhar, o raio de luz das tuas órbitas, quando te emocionas com algo pequenino que consigo fazer, faz-me sentir único. Dá-me, também a mim, um brilho que com estas palavras não te explicarei. Não te conseguirei explicar. Deixo uma pista: é bom, é tão bom!

Sabes, escrever estas coisas nem sempre é justo. Quem lê, os simpáticos visitantes deste meu espaço, podem achar no sonido de palavras escritas na medida exacta, que tudo é perfeito, que eu sou perclaro para o pai que tenho. Mas tu sabes que não, que também falho como as notas de quinhentos falham na conta do banco. Por vezes, só me queres alertar de algumas coisas, convencer-me que todo o cuidado é pouco e eu já estou de esgrima na mão, pronto a afiar que já sei. A verdade é que nem sempre sei, mas como o teu papel de pai faz-te alertar-me, o de filho faz-me negá-lo. Isto não é muito bonito de se dizer, mais ainda quando outros lêem, contudo verdade sempre foi a palavra da nossa relação. Nunca existiu a fronteira gélida de pai para filho entre nós, trocámo-la por um abraço de amigos. Quem nos vê, quem nos olha e atenta nos detalhes, verá dois benfiquistas a discutir bola, dois amigos a falar de bacoradas, dois compinchas a brincarem um com o outro. Tu és isso, um amigo.

Não me queria alongar muito porque sei que todos os filhos desejam escrever palavras aos seus pais, lembrá-los como eles são especiais. Eu sou só mais um filho, tu és só mais um pai. Mas somos um filho e um pai, que não olham à vida dos outros pais e filhos, pois temos o contentamento da felicidade dentro da nossa relação. Jamais, em toda a minha vida, me disseste que o filho deste fez não sei quê, ou o daquele não sei mais o que quê. Confesso, durante anos não reparei nesse detalhe e nunca me chamaste à atenção para ele, mas hoje vejo-o. Vejo tão claro como uma água cristalina a atravessar uma pequena nascente de montanha. Tens amigos com filhos incríveis e nem por isso usaste o caminho de me espicaçar por aí, lembraste-me, diversas vezes, que eu era capaz de mais que o que estava a dar. E nas horas de conquistas, pequeninas coisas, puseste o teu sorriso rasgado, deixaste as poças de água te inundarem os olhos, sem nunca escorrerem em enxurrada, para sem palavras me dizeres: eu não preciso de olhar para os filhos dos outros!

Eu disse à mãe, no dia de anos dela, que ela era a mulher mãe do mundo. Vou-te dizer, também, que és o melhor pai do mundo. Não quero ciúmes na mesa de jantar! Porém, há algo que vos quero dizer. Agora, aos dois. Estou-me a marimbar para o mundo, só desejo não cometer erros dentro do nosso universo, daquela casinha que vestimos com móveis de histórias do passado, que aquecemos com os nossos feitios extraviados. Hoje não é diferente, amo-te a ti e à mãe, com a mesma certeza de o sangue me estar a correr nas veias.

Eu não sou especial, vocês é que são. Se um dia for pai, espero poder ser metade do que vocês foram para mim! Pai, desculpa, o dia é teu, como o aniversário era da mãe, mas não resisto a unir-vos, a falar de ambos. Afinal, na nossa casa moram três, mas no fim somos somente um!

 Para encomenda de livros, sem portes: ricardoalopes.lopes@gmail.com

Para compra directa: http://www.bubok.pt/livros/6257/Realidades

2 thoughts on “Hoje não é diferente, Pai!

  1. Parabens afilhado, até a mim ficaram os olhos húmidos ao ler estes lindas palavras. Parabens tambem ao meu irmão pelo filho que tem. Beijinhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s