As minhas garotas

Ontem a “Garota de Ipanema” comemorou cinquenta anos. Como o Raminhos referia, talvez seja abusivo chamar garota a alguém de cinquenta anos, todavia a verdade é que as mulheres são sempre meninas. Têm sempre aquele jeito delicado e adocicado de nos dizerem o que querem, de nos imporem o que necessitam. Nós, os homens, falamos e reclamamos, nos cafés dizemos que somos isto e aquilo, que não admitimos aquilo e aqueloutro, mas a verdade é que nos derretemos sempre.

Como ponto de situação, nós somos o que as mulheres querem que sejamos. Gostamos de ser assim, só gostamos mais é de reclamar e mostrar aos amigos que somos diferentes deles.

As mulheres são o ser mais belo do universo, isso é unanime. As mulheres, as que poderiam contrariar isto, por estarem pela sua natureza de candeias às avessas com as suas entes do mesmo género, também o corroboram. Elas próprias confessam que o torneado, as curvas de corpos esbeltos, estão nelas, não em nós. Por muito que hajam aqueles marotos da natação, e de outros desportos mais, que deixam os desengonçados, como eu, em situação difícil. A mulher é linda.

Lógico que falo no geral para impor que existem excepções, mas são elas mesmo que fazem a regra. Contudo, tenho ainda mais dificuldade de me expressar na negativa por estar rodeado de mulheres belas. Tenho mulheres que me arreliam, como a minha mãe, mas que fazem de mim o homem que sou hoje. Tenho mulheres que me transparecem luz, que me medicam as tristezas e me asseguram as alegrias. Aqui falo no geral com o pensamento subjugado a uma pessoa, não para tirar mérito a todas as outras mulheres do mundo, apenas porque sou apaixonado. Porque estou apaixonado. Não seria justo da vossa parte me criticarem, sejam vocês homens ou mulheres. Amar é bonito.

A mulher é delicada, mesmo quando se irrita. A voz de uma mulher tem sempre algo de harmónico, de melodioso. É certo que umas são esganiçadas e outras pungentes, mas são femininas, são doces. Mais uma vez me desculpo se não estiver certo em tudo o que digo, mas guio-me pelas minhas garotas. Seja a garota que me pôs ao mundo, seja a garota que agora me faz sorrir nele.

No fundo, com tudo isto, só queria dedicar este texto, com o impulso da música, às minhas garotas. A vocês as duas, as mais presentes nos meus dias. Não são de Ipanema, mas eu também não sou brasileiro.

Um beijo grande, como grande é o amor que me une a vocês.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s